“Setembro Amarelo”: todos pela prevenção do suicídio

O mês de setembro é representado em todo o Brasil com a cor amarela em referência à campanha “Setembro Amarelo” que visa conscientizar a população sobre a prevenção do suicídio.

A campanha “Setembro Amarelo” foi criada em 2014 pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) em parceria com o Conselho Federal de Medicina. No dia 10 de setembro é celebrado o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, data na qual são realizadas várias ações de conscientização. O objetivo da campanha é orientar a população a reconhecer os sinais que indicam que uma pessoa pensa em cometer suicídio.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil acontecem cerca de 12 mil suicídios por ano. No mundo, cerca de 800 mil suicídios ocorrem anualmente. A campanha “Setembro Amarelo” busca evitar essas mortes, por meio de ajuda e orientação médica especializada.

A Deaço ciente de seu compromisso com a sociedade, adere à campanha “Setembro Amarelo” por meio de ações informativas que buscam orientar colaboradores sobre a importância de oferecer ajuda a quem precisa. “A luta pela prevenção do suicídio é de todos nós, temos o dever de propagar as orientações para que mais pessoas ajudem a salvar vidas”, disseram os diretores da Deaço.

O primeiro passo para ajudar uma pessoa que pensa em cometer suicídio é observar. Os sintomas verbais são um dos primeiros a serem identificados, por isso, atente-se a frases como: “estou cansado, não quero continuar” ou “eu vou me matar”. Não ignore, sente-se para conversar e ofereça ajuda.

Outros sinais são identificados por meio de mudanças no comportamento como: isolamento, falta de interesse por atividades que gostava de fazer, falta ou muito apetite, alterações no sono e agressividade (comum em jovens). Além dessas mudanças no comportamento, postagens em redes sociais também servem como alerta.

Ao observar esses sinais, não ignore. Primeiramente, estenda a mão, ouça e ofereça ajuda. Oriente para que essa pessoa procure um profissional de saúde mental. Esses gestos podem ajudar a salvar uma vida. Cada caso é diferente, mas nunca deixe de estender a mão e agir.

Pedidos? Podemos ajudar